16 de janeiro de 2021

ConexãoMT

As notícias se encontram aqui!

“Curva está achatada, mas ainda não está diminuindo”, diz OMS sobre o Brasil

Reprodução/Yotube
Diretor-executivo da OMS, Michael Ryan disse que o novo coronavírus segue “forçando” sistema de saúde do Brasil

Nesta segunda-feira (10), dois dias após ultrapassar a marca de 100 mil mortes causadas pela pandemia da Covid-19 , o Brasil voltou a ser tema central em uma coletiva de imprensa realizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo o diretor-executivo Michael Ryan, a curva de mortes no país “está achatada, mas não diminuindo”. 

Leia também
Com 572 registros, mortes por Covid-19 no Brasil passam de 101 mil
Sem dose para todos, decisão de quem será vacinado contra Covid-19 gera debate
Por que é arriscado flexibilizar a rotina só com base em testes de covid-1

De acordo com informações da agência de notícias Reuters, Ryan ressaltou também que a hidroxicloroquina , exaltada pelo presidente Bolsonaro , não deve ser vista como “salvação” e nem será a “bala de prata” para vencer o novo coronavírus (Sars-Cov-2), uma vez que não há qualquer comprovação de sua eficácia contra a doença.
“O Brasil tem mantido uma epidemia de nível muito alto. A curva achatou de certa maneira, mas não dá trégua e o sistema de saúde está sob intensa pressão. Em uma situação como essa, a hidroxicloroquina não é uma soluçao nem uma bala de prata”, afirmou Ryan.
Antes dele, o diretor-geral da instituição, Tedros Adhanom  Ghebreyesus, afirmou que o mundo deve chegar ao marco de 20 milhões de casos da Covid-19 nesta semana e voltou a falar sobre o investimento que precisará ser feito pelas nações para que as vacinas em desenvolvimento tenham sucesso.
“Parece ser muito dinheiro (mais de US$ 100 bilhões), e de fato é. Porém, é um valor pequeno se comparado aos US$ 10 trilhões que foram investidos por países do G20 em estímulos fiscais para lidar com as consequências da pandemia até o momento”, afirmou Tedros.
Sobre a contenção da doença, Ryan avaliou que a Covid-19 tem se mostrado “expecionalmente difícil” e que, por este motivo, os países precisam reforçar as medidas de segurança e saúde para garantir que ela não cresça ainda mais.
“O vírus é brutal em sua simplicidade e crueldade, mas não tem cérebro. Nós temos os cérebros e a capacidade de sermos mais espertos. Porém, não estamos fazendo um bom trabalho a essa altura”, finalizou.

Fonte: IG SAÚDE

#infocoweb_cabecalho {
display: inline-block;
margin-top: -75px;
position: absolute;
right: 0;
}

#infocoweb_corpo div {
margin-bottom: 10px;
text-align: justify;
}O post “Curva está achatada, mas ainda não está diminuindo”, diz OMS sobre o Brasil apareceu primeiro em O Atual.