23 de janeiro de 2021

ConexãoMT

As notícias se encontram aqui!

Influenciadora digital negra conta as dificuldades de encontrar a base certa

Na última terça-feira, 18, a Fenty Beauty chegou ao território brasileiro.  A marca de maquiagem criada pela cantora Rihanna ficou conhecida mundialmente por sua qualidade, mas também por sua diversidade e inclusão trazendo uma paleta com nada menos que 50 tons de bases. Isso fez com que muitas pessoas que antes não eram contempladas pela indústria da beleza se sentissem representadas, principalmente as mulheres negras.

Reprodução/Instagram
“O fato de ter dificuldade encontrar uma base que seja pro nosso tom da pele já exclui a mulher negra da sociedade”, diz influenciadora.

A influenciadora digital e maquiadora Eveli Lamar ( @eveli_lamar ), 32 anos, conta em entrevista ao Delas que adorou a chegada da marca do Brasil, apesar dos preços estarem meio salgados (a base pode chegar a R$229). “Mas é um investimento”, garante.
Eveli considera a diversidade de tons oferecidos pela Fenty Beauty muito importante. Ela, que gosta muito de maquiagem e ajuda outras mulheres negras a saber qual o tom certo da base e do corretivo, diz que achar a base certa para o seu tom de pele é uma missão árdua e que muitas vezes pode dar errado.

Leia também
Acne positivity: “Hoje a acne não me impede de nada”, diz influenciadora
Preguiça de se arrumar? Confira dicas de looks para esses dias
Apps, dates e bullying: Camila fala sobre ser solteira e ter paralisia cerebral

Racismo estrutural
“A questão de encontrar a base é racismo estrutural. O simples fato de ter dificuldade encontrar uma base que seja pro nosso tom da pele já exclui a mulher negra da sociedade. Isso porque não fazemos parte do padrão de beleza”, explica a influenciadora digital.
A maquiadora percebeu essa exclusão quando notou, durante um curso de estética, que não havia nenhuma aula voltada para a maquiagem em pele negra. “Eu comecei a estudar por conta própria, pois eu não consegui pegar as informações que eu precisava. Além de não ensinarem sobre os vários tons de pele, no curso só tinha eu e duas meninas pretas na turma, o que eu achava bem estranho”, relata.

Ver essa foto no Instagram

Aquela lace que da um toque final… vão lá seguir a minha loja de laces fronts e wigs favorita. @glamuorperucas . . . . #laces #lacewigs #lacestyles #mulherpreta #queen #naotocanalace #autoestimaelevada
Uma publicação compartilhada por ?EVELI LAMAR ? (@eveli_lamar) em 18 de Ago, 2020 às 9:54 PDT

A influenciadora lembra que na hora de comprar base ou corretivo nunca havia o tom certo. Ou ficava muito alaranjada ou acinzentada. E mesmo quando a base parecia que combinava, a cor estourava no flash da câmera.
“Algumas marcas de cosméticos não investem tanto nas tonalidades da pele preta, elas não se preocupam com isso. Pessoas brancas não tem dificuldade de encontrar bases que nem a mulher preta tem, elas não sofrem com isso, eu nunca vi uma pessoa branca falar ‘não consigo achar uma base do meu tom’”.
Dicas 
Eveli diz que algumas marcas estão começando a pensar na mulher preta e que hoje não é mais tão difícil encontrar bases com as tonalidades mais escuras. “As empreendedoras negras, como a Negra Rosa ou Rihanna, têm investido bem nas tonalidades das bases, é preciso de uma pessoa preta para entender outra preta, entendeu?”, comenta.
A influenciadora dá algumas dicas para as mulheres negras que ainda têm dificuldades para encontrar a base ideal para o tom da pele. Para achar o seu tom, vá com calma e com o rosto limpo para testar a maquiagem.
“Nunca teste no pulso, sempre no pescoço ou rosto. Teste a base e espere secar, pois você precisa ver realmente como fica a base na sua pele. Não vá por impulso comprar base, eu fazia isso e eu sempre trazia a base errada”, aconselha a maquiadora.

Fonte: IG Mulher

#infocoweb_cabecalho {
display: inline-block;
margin-top: -75px;
position: absolute;
right: 0;
}

#infocoweb_corpo div {
margin-bottom: 10px;
text-align: justify;
}O post Influenciadora digital negra conta as dificuldades de encontrar a base certa apareceu primeiro em O Atual.