DESTAQUE

O que polvos e cérebros humanos têm em comum?

Publicado em

Cefalópodes como polvos e lulas são animais altamente inteligentes, com sistemas nervosos complexos. Se retrocedermos na história evolutiva, encontraremos o último ancestral comum conhecido de humanos e cefalópodes: um animal primitivo semelhante a um verme com inteligência mínima e manchas oculares simples.

Mais tarde, o reino animal foi dividido em dois grupos de organismos – aqueles com espinha dorsal e aqueles sem. Enquanto os vertebrados, principalmente os primatas e outros mamíferos, desenvolveram cérebros grandes e complexos com diversas habilidades cognitivas, os invertebrados não. Com uma exceção: os cefalópodes.

Os cientistas há muito se perguntam por que um sistema nervoso tão complexo só foi capaz de se desenvolver nesses moluscos. Agora, uma equipe internacional liderada por pesquisadores do Max Delbrück Center, da Alemanha, e do Dartmouth College, nos Estados Unidos, apresentou um possível motivo.

Em um artigo publicado na Science Advances, eles explicam que os polvos têm um repertório amplamente expandido de microRNAs (miRNAs) em seu tecido neural – refletindo desenvolvimentos semelhantes aos dos vertebrados.

Leia Também:  Empresários se tornam réus por contrabando e venda ilegal de mercúrio

“Portanto, é isso que nos conecta ao polvo”, diz o professor Nikolaus Rajewsky, diretor científico do Instituto de Biologia de Sistemas Médicos o Centro Max Delbrück (MDC-BIMSB).

Ao todo, 42 novas famílias de miRNA foram encontradas – especificamente no tecido neural e principalmente no cérebro. Dado que esses genes foram conservados durante a evolução dos cefalópodes, a equipe concluiu que eles foram claramente benéficos para os animais e, portanto, são funcionalmente importantes.

Polvos e humanos são mais parecidos do que poderíamos imaginar. Agora, cientistas estão perto de descobrir o motivoPolvos e humanos têm mais em comum do que poderíamos imaginar. Imagem: Olga Visavi/Shutterstock

Polvos são criaturas inteligentes e… alienígenas?

Do ponto de vista evolutivo, os polvos são únicos entre os invertebrados. Eles têm um cérebro central e um sistema nervoso periférico capaz de agir de forma independente.

Se um polvo perde um tentáculo, o membro permanece sensível ao toque e ainda pode se mover. A razão pela qual os polvos são os únicos a desenvolverem funções cerebrais tão complexas pode residir no fato de que eles usam seus braços como ferramentas para abrir conchas, por exemplo.

Leia Também:  Com escola em reforma desde 2018, alunos podem ter que estudar no Grande Templo

Os polvos também mostram outros sinais de inteligência: são muito curiosos e podem se lembrar das coisas. Eles também podem reconhecer as pessoas e gostar mais de algumas do que de outras. Os pesquisadores agora acreditam que eles até sonham, já que mudam a cor e a estrutura da pele durante o sono.

Apaixonado por esses animais, Rajewsky vai além: “Dizem que se você quer conhecer um alienígena, mergulhe e faça amizade com um polvo”. Ele agora planeja unir forças com outros pesquisadores de polvos para formar uma rede europeia que permitirá um maior intercâmbio entre os cientistas. Embora a comunidade seja pequena atualmente, Rajewsky diz que o interesse pelos polvos está crescendo em todo o mundo, inclusive entre os especialistas comportamentais.

Jeniffer Cardoso /ODigital

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

BRASIL

Os impactos do TikToK na saúde mental de adolescentes

Published

on

O ano de 2023 vai ser importante para Amanda. Em novembro, a adolescente de 17 anos irá prestar o Exame Nacional de Ensino Médio, o Enem. Além dos estudos e da pressão comuns nesta época da vida, ela precisará lidar com mais um desafio: o TikTok. Além de viciante, o aplicativo é avaliado como danoso para saúde mental dos jovens e adolescentes.

Na semana, a jovem passa, em média, duas horas por dia na rede social, que considera um dos seus aplicativos favoritos. O uso constante, porém, já é visto como uma distração para o período de preparação para o vestibular.

“Por ter vídeos curtos, o pensamento de ver apenas mais um é constante”, explica a estudante, que já busca criar meios de limitar o uso excessivo da plataforma com cronômetro.

Amanda é uma dos milhares de adolescentes brasileiros que já usam o TikTok como uma das principais redes sociais para comunicação e entretenimento. Em 2022, cerca de 58% dos usuários entre 9 a 17 anos no país já estavam na rede social, de acordo com a pesquisa TIC Kids Online Brasil.

Além da preocupação com o uso desmedido e distraído do aplicativo, que também atinge adultos de diversas idades, pesquisadores e especialistas apontam riscos para a saúde mental dos jovens.

Um estudo desenvolvido pelo Centro de Combate ao Ódio Digital identificou conteúdos problemáticos no TikTok em menos de dez minutos de uso. Vídeos sobre suicídio, por exemplo, foram recomendados na aba “For You” em dois minutos e meio de acesso.

Temas relacionados a distúrbios alimentares e à imagem corporal, como dietas sem embasamento e reforço à magreza, também foram identificados no teste.

Além disso, os pesquisadores encontraram uma comunidade para conteúdos sobre transtorno alimentar, acumulando 13,2 bilhões de visualizações, e 56 hashtags projetadas especificamente para fugir da moderação

Leia Também:  Com escola em reforma desde 2018, alunos podem ter que estudar no Grande Templo

“Os resultados são o pesadelo de todos os pais: os feeds de jovens são bombardeados com conteúdo prejudicial e angustiante que pode ter um impacto cumulativo significativo na compreensão do mundo e na saúde física e mental”, escreveu Imran Ahmed, chefe-executivo da organização.

Neste contexto, o impacto negativo na saúde dos adolescentes pelo uso do TikTok não são iguais para todos. De acordo com John Haltigan, professor da Universidade de Toronto, os usuários mais expostos são adolescentes do gênero feminino.

Isso acontece pois depressão e ansiedade, como explica o docente, já são questões geralmente identificadas nas jovens nessa fase da vida, podendo ser reforçadas e até ampliadas pela “natureza imersiva audiovisual e comunitária” da rede social.

Em resposta ao estudo do Centro de Combate ao Ódio Digital, o TikTok afirmou:

“Esta atividade e o que se resultou dela não refletem o comportamento genuíno e experiências de usuários reais. Consultamos regularmente especialistas em saúde, removemos conteúdos que violam nossas Diretrizes da Comunidade e fornecemos acesso a recursos de suporte para qualquer pessoa que precise. Estamos cientes de que as pessoas têm níveis diferentes de sensibilidade para cada tipo de conteúdo e nos mantemos focados em promover um espaço seguro e de confiança para todos, incluindo pessoas que optam por compartilhar suas jornadas de recuperação, aprendizados e que podem educar outras pessoas sobre temas importantes.”

Escolas aumentam cerco contra plataformas

Recentemente, a escola Pedro II, no Rio de Janeiro, reuniu os pais dos alunos do ensino fundamental para alertar sobre o uso excessivo do TikTok pelas crianças pós-pandemia, mesmo o aplicativo indicando a idade mínima de 13 anos. Os professores já identificam que a plataforma deixa os estudantes mais agitados e violentos.

Leia Também:  Marginais ateiam fogo em igreja católica no interior de Mato Grosso; veja vídeos

Nos Estados Unidos, escolas públicas de Seattle entraram com um processo contra diversas empresas de tecnologia, incluindo TikTok, alegando que elas possuem impacto negativo na saúde mental dos estudantes, impedindo que as instituições de ensino cumpram sua missão de educar.

No processo, o distrito escolar, que conta com mais de 50 mil alunos, afirmou que as ações tomadas pelas plataformas “foram um fator substancial para causar uma crise de saúde mental juvenil, marcada por proporções cada vez maiores de jovens lutando contra ansiedade, depressão, pensamentos de automutilação e ideação suicida”.

TikTok atualiza sistema de moderação de conteúdo

Na quinta-feira (2), a plataforma anunciou a atualização do sistema de moderação e revisão de contas, buscando agir de forma mais rápida, transparente e eficaz contra infratores reincidentes.

A partir do novo sistema, se um perfil violar as diretrizes da comunidade e  repetir o descumprimento, seja pela mesma ferramenta (como comentários) ou pela mesma política, atingindo o limite de advertências, ele poderá ser banido permanentemente na plataforma.

Em comunicado, a empresa disse que os limites variam dependendo do potencial da violação em causar danos aos membros da comunidade, podendo ser mais restrito em desrespeito a políticas de discurso de ódio do que atividades de spam.

Apesar de levantar o argumento da transparência no anúncio, o TikTok não deu mais detalhes sobre como serão realizadas as notificações, nem sobre o limite exato de reincidências que será estabelecido como parâmetro para a remoção do usuário.

 

Com  

COMENTE ABAIXO:
Continuar lendo

GRANDE CUIABÁ

MATO GROSSO

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA