ECONOMIA

Guedes diz que Bolsonaro mandou ‘cortar a cabeça’ de ex-presidente do Inmetro

Publicado em

Guedes diz que Bolsonaro mandou 'cortar a cabeça' de ex-presidente do Inmetro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que levou “um baile” do presidente da República, Jair Bolsonaro, no episódio da troca do presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) em 2020. Segundo Guedes, o presidente mandou “cortar a cabeça” do antigo dirigente do Inmetro.


“O presidente disse que se secretário não trocasse presidente do Inmetro, sairia o secretário também”, afirmou o ministro. “Presidente Bolsonaro é atento ao detalhe, se não está resolvido, pressiona pra resolver.”

Em 2019, Bolsonaro trocou toda a diretoria do órgão e disse que “implodiu” o Inmetro. O motivo da demissão da antiga diretoria foi uma portaria que exigia a troca dos taxímetros para o modelo digital.

“Não temos de atrapalhar a vida dos outros. É facilitar a vida de quem produz. Os novos taxímetros, faça diferente. Os novos tacógrafos, tudo bem. Agora, tirar do pessoal, mandar trocar, não. Vai ter de implodir, cortar a cabeça de todo mundo”, reclamou Bolsonaro na época.

Nesta sexta-feira, Guedes disse ainda que Bolsonaro está ouvindo a população “o tempo inteiro” e que é um “presidente digital”, pois conversa com apoiadores pelo WhatsApp.

Leia Também:  Copom inicia oitava reunião do ano para definir juros básicos

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

ECONOMIA

PEC da Transição irá reparar Orçamento deixado por Bolsonaro, diz Lula

Published

on

Presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante coletiva no CCBB Brasília
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante coletiva no CCBB Brasília

Após anunciar os cinco primeiros nomes para os ministérios do futuro governo, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que a  PEC da Transição irá ‘fazer o reparo’ deixado no Orçamento de 2023 por Jair Bolsonaro (PL). 

“Espero que as pessoas compreendam que essa PEC não é para o governo Lula. Essa PEC é para fazer o reparo no orçamento do presidente Bolsonaro. É para garantir o mínimo necessário para as pessoas mais necessitadas, para saúde, para o Minha Casa Minha Vida, para o Farmácia Popular.”, afirmou Lula nesta sexta-feira (9). 

O petista também ressaltou que irá fazer “quantas conversas forem necessárias” para aprovar a  Proposta de Emenda à Constituição pela Câmara. Segundo ele,o objetivo das negociações é aprovar a PEC da mesma forma ‘extraordinária’ que passou no Senado. 

A proposta, que garante um orçamento de R$ 145 bilhões fora do teto de gastos para o pagamento completo do Bolsa Família de R$ 600, obteve 64 votos a favor e 17 contra.  

Leia Também:  BC faz última reunião do ano para definir Selic; veja o que esperar

Durante a coletiva de imprensa realizada no CCBB, onde estão acontecendo as reuniões da equipe de transição,  Fernando Haddad foi anunciado como o futuro representante do ministério da Fazenda. É esperado que o presidente eleito retome com as divisões no que, hoje, é a pasta de Economia. 

Orçamento Secreto

Questionado sobre o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o Orçamento Secreto, o presidente eleito afirmou que o processo já estava em andamento antes das eleições. 

“Esse processo das emendas do orçamento secreto estava na Suprema Corte antes das eleições, antes de eu ser presidente. Se está na Suprema Corte, eles vão pautar. Eu não tenho nenhum poder de interferência para decidir quando e como vão votar”, disse.

“Todo mundo sabe o que penso da emenda parlamentar. Fui deputado constituinte e sempre achei que a emenda é importante, o que não precisa é ser secreta”, continuou.

Leia Também:  INSS alerta para golpes com a Revisão da Vida Toda; saiba se prevenir

Lula voltou a citar sua relação com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Segundo ele, qualquer discordância entre os dois será conversada, e afirmou que “se for preciso, conversarei dez vezes.” 

O julgamento sobre o Orçamento Secreto, com nome oficial de emendas de relator, está marcado para a próxima semana. Os ministros devem analisar se a distribuição de verba entre os representantes é constitucional.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continuar lendo

GRANDE CUIABÁ

MATO GROSSO

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA