ECONOMIA

Meirelles diz que Bolsonaro não reconhecer resultado eleitoral não muda nada

Publicado em

Meirelles diz que Bolsonaro não reconhecer resultado eleitoral não muda nada

(FOLHAPRESS) – Henrique Meirelles diz que o impacto econômico de Jair Bolsonaro (PL) eventualmente não reconhecer o resultado das eleições caso não saia vitorioso deve ser praticamente inexistente. O ex-presidente do Banco Central e ex-ministro declarou apoio a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na semana passada.


Para Meirelles, o precedente nos Estados Unidos com Donald Trump, que não reconheceu a derrota para Joe Biden e falou em fraudes eleitorais sem apresentar provas, mostra que os efeitos de atitudes do tipo não costumam ter repercussão no médio prazo em termos econômicos.

“Aconteceu nos Estados Unidos, inédito lá também, o Donald Trump não reconheceu a vitória do Biden. Tudo bem, direito dele, não reconhece. Reclamar e não reconhecer, tá bom, tudo bem, sem problemas, o Trump também não reconheceu”, afirma Meirelles à reportagem.

Ele foi ouvido por empresários durante jantar no restaurante Carat, em São Paulo, na terça-feira (27). O evento foi organizado pelos empresários Rafael Prado e Vinícius Trapani, da Confraria SP, que também compareceram.

Leia Também:  Bolsonaro elogia presidentes da ditadura em posse de diretor brasileiro em Itaipu

Meirelles pondera, contudo, que a reação de Bolsonaro pode ter efeito econômico se gerar movimentação de rua significativa.

“Se houver conflito, pode prejudicar um pouco. Depende da capacidade de mobilização real. Se tiver guerra civil na rua é outra coisa”, afirma.

No encontro, o economista disse que não vê espaço para expansão da dívida pública para aumentar a capacidade de investimento em 2023, o que tem sido debatido pelos aliados de Lula.

“O Risco Brasil está elevado, e se a dívida começa a subir muito, sobe a taxa de juros, sobe o risco, é um problema. Acho que a solução é o contrário, cortar despesas desnecessárias e abrir espaço para investir e trazer capital privado para investir através de licitações”, disse o ex-ministro.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

ECONOMIA

Deputados e senadores aprovam relatórios setoriais do Orçamento

Published

on

A Comissão Mista de Orçamento aprovou nesta terça-feira (6) os 16 relatórios setoriais referentes ao projeto da Lei Orçamentária Anual de 2023 (PLN 32/2022). Cada relatório detalha uma área do Orçamento da União e avalia as emendas que contemplam os órgãos daquela área, sugerindo quais devem ser aceitas.

Nos próximos dias, deputados e senadores analisarão o relatório do comitê que avalia obras com indícios de irregularidades e, em seguida, o relatório final do senador Marcelo Castro (MDB-PI). A votação do Orçamento de 2023 está prevista para o dia 16 de dezembro, em reunião conjunta do Congresso Nacional.

O Relatório Preliminar do Orçamento de 2023 já foi aprovado na comissão e prevê que as projeções de receita e despesa totalizam R$ 5,2 trilhões, sendo R$ 143,5 bilhões destinados ao orçamento de investimento das estatais e R$ 5 trilhões aos orçamentos fiscal e da seguridade social. Destes, R$ 2 trilhões referem-se ao refinanciamento da dívida pública federal.

O texto de Castro prevê que a meta para o déficit primário do Governo Central em 2023 seja fixada em R$ 65,9 bilhões na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2023, o equivalente a 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB), com aumento em relação ao déficit primário apurado em 2021 (0,41% do PIB). No Projeto de Lei do Orçamento Anual (PLOA) de 2023, a previsão é que o resultado primário do Governo Central seja um pouco menor do que a meta da LDO (R$ 63,7 bilhões).

Leia Também:  Cartazes apócrifos chamam Bolsonaro e PL de ladrões na zona oeste de SP

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continuar lendo

GRANDE CUIABÁ

MATO GROSSO

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA