SAÚDE

China: cientistas descobrem vírus semelhante ao da Covid em morcegos

Publicado em

morcego-gigante-3

Cientistas chineses e australianos afirmam ter encontrado cinco vírus “provavelmente patogênicos para humanos ou gado” em morcegos no sul da China. Um deles, o BtSY2, tem características semelhantes ao Sars-CoV-2, causador da Covid-19, e ao Sars.

A descoberta foi publicada em um artigo em versão de pré-print, ainda sem revisão de pares, na plataforma bioRxiv, na quarta-feira (25/11).

Os pesquisadores da Universidade Sun Yat-sen e do Instituto de Controle de Doenças Endêmicas de Yunnan, ambos na China, e da Universidade de Sydney, na Austrália, alertam para a possibilidade de surgimento de novas doenças zoonóticas – causadas por vírus que passam de animais para humanos.

A equipe coletou amostras de secreção do reto de 149 morcegos de 15 espécies diferentes, em seis condados ou cidades da província de Yunnan, que faz fronteira com Laos e Mianmar. O RNA de cada uma das amostras foi extraído e sequenciado.

Observou-se uma alta frequência de infecção simultânea de diferentes vírus em um único morcego. Quando isso ocorre há maior probabilidade de haver recombinação genética, situação que ocorre quando os vírus trocam pedaços de seu código genético e formam novos patógenos.

Leia Também:  Líderes fazem pacto para acabar com Aids em crianças até 2030

Semelhante ao Sars-CoV

O estudo mostrou que o BtSY2 possui uma parte importante da proteína Spike, a mesma que é usada pelo Sars-CoV-2 para se ligar às células humanas.

De acordo com os pesquisadores, é provável que o vírus seja capaz de utilizar o ACE2, um receptor existente na superfície das células humanas, para invadir essas estruturas e se replicar.

“Identificamos cinco espécies virais que provavelmente são patogênicas para humanos ou animais, incluindo um novo coronavírus recombinante do tipo Sars que está intimamente relacionado ao Sars-CoV-2 e ao Sars-CoV”, disse a equipe no artigo.

A província de Yunnan é conhecida como um ponto crítico para o surgimento de vírus transmitidos por espécies de morcegos. Por lá já foram identificados o RaTG1313 e o RpYN0614, parentes próximos do Sars-CoV-2. A região também abriga pangolins, animais que são consumidos na China e usados ​​na medicina tradicional.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

SAÚDE

Dengue: Rio de Janeiro registra primeira morte em 2023

Published

on


Após a primeira morte por dengue no RJ em 2023, foram definidas novas medidas de contenção estabelecidas nos planos de contingência
Pixabay

Após a primeira morte por dengue no RJ em 2023, foram definidas novas medidas de contenção estabelecidas nos planos de contingência

Conforme nota divulgada pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro na última sexta-feira (3), o estado registrou a primeira morte por dengue neste ano.

A vítima era um paciente de 84 anos que estava internado desde o dia 18 de janeiro no Hospital dos Plantadores, no município de Campos dos Goytacazes , no norte fluminense, e morreu após três dias de internação.

O diagnóstico da doença foi feito através de exame laboratorial feito pelo Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (LACEN-RJ).

Por conta da alta da doença na cidade nas primeiras semanas de janeiro em relação ao mesmo período de 2022, foram definidas novas medidas de contenção estabelecidas nos planos de contingência.

Leia Também:  Tourette: entenda a síndrome que afeta Cara de Sapato, do BBB 23

A decisão foi tomada após a visita de uma equipe técnica da Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro no local.

Como forma de reforçar o atendimento no centro de referência em dengue do município, a secretaria liberou itens como poltronas, soro fisiológico e alguns medicamentos do Centro de Referência da Dengue e Pós-Covid Jayme Tinoco Netto.

Além disso, será intensificado serviços de controle do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, Aedes aegypti e da equipe de agentes nos locais mais críticos como este onde ocorreu a primeira morte.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continuar lendo

GRANDE CUIABÁ

MATO GROSSO

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA